Monte das Oliveiras
anuncieaqui

15 DE MARÇO - NÃO ESQUEÇA É DIA DO SANTO DOS ESQUECIDOS | Estância Turística de Joanópolis - SP

Joanópolis

Serviços

Notícias

15 DE MARÇO - NÃO ESQUEÇA É DIA DO SANTO DOS ESQUECIDOS
Folclore
Enviado por Valter Cassalho   
Seg, 14 de Março de 2011 22:09
SÃO LONGUINHO

SÃO LONGUINHO, SÃO LONGUINHO

SE EU ACHAR DOU TRÊS PULINHOS...

Quem não prometeu três pulinhos a São Longuinho quando perdeu alguma coisa? No desespero de encontrar um objeto perdido, muitos recorrem a promessas a São Longuinho, o qual é festejado em 15 de março na Espanha e Brasil e em 16 de outubro no Leste Europeu..

Acredita-se que este nome Longuinho deriva de LONGINUS que vem do grego LONKHE que significa lança, sendo nome atribuído aos mártires do inicio do cristianismo.

De acordo com historiadores Longinus era o centurião (comandante de cem homens na milícia romana) Cássio, encarregado de vigiar Jesus durante a crucificação. Foi ele quem feriu o corpo de Jesus com a sua lança (Mateus 27:54; Marcos 15:39, Lucas 23:47, Jo 19:34), cuja água do ferimento respingou em seu rosto e nos olhos e Longinus Cássio ficou curado de um problema de visão que possuía. Tal milagre não abriu somente os olhos físicos de Cássio, mas também sua visão espiritual convertendo-se e tornando-se monge na Cappadócia (hoje Turquia).

Consta ainda que o dito santo destruiu algumas imagens idolatradas na época, com um machado e delas saíram maus espíritos que cegaram um homem que perseguia São Longuinho, recuperando sua visão somente após se converter ao cristianismo.

Durante a perseguição aos cristãos São Longuinho foi preso e martirizado, tendo os dentes arrancados, a língua cortada e finalmente decapitado. Sua lança está guardada como relíquia religiosa em Viena na Áustria.

Na cidade de Guararema-SP, existe uma curiosidade, sua imagem não possui as pernas, segundo a tradição local o santo perdeu-as durante uma batalha. No entanto analisando a imagem a qual possui a mão direita semi-fechada como a segurar algo (lança) e a outra com um pino como se existisse algo encaixado nela e levando em conta o santo como aquele soldado no momento da crucificação, tenho por opinião, que o artista que confeccionou a dita imagem, quis retratá-lo com a lança numa das mãos e com seu capacete de soldado em outra, tal qual a imagem romana, estando o mesmo não sem as pernas, mas sim de joelhos no momento da sua conversão ou ainda por ser santo de roca (santo com roupas em tecido e armação de madeira) pode ter perdido os pés ou era posto sobre um toco de madeira e coberto por túnica com altura estética de um homem ereto.

Quanto a achar coisas perdidas, isso deve ser pelo motivo da cura milagrosa de sua visão. Quanto aos três pulinhos, de acordo com o folclorista Câmara Cascudo este costume está presente no nordeste brasileiro e também é feito a São Vitor e a São Dino, não havendo até o momento uma explicação plausível para o fato. Em Roma, Espanha e outras localidades sua imagem é a de um soldado romano com uma laça, no Brasil propaga-se a imagem do santo como um monge com uma lanterna a procurar algo. Todas essas considerações carecem de novos estudos e maiores informações.

Independente da diversidade de sua imagem e necessidade de novas pesquisas, São Longuinho continua sendo invocado para achar objetos e é um grande protetor das pessoas distraídas e esquecidas; portanto, mesmo que você não tenha perdido nada, espero que não se esqueça de dar os três pulinhos ao santo neste 15 de março.

 

 
Valter Cassalho
Professor e historiador da cidade de Joanópolis, jornalista, folclorista e membro da Comissão Paulista de Folclore (Ibecc/Unesco) e Associação Brasileira de Folclore. Atual presidente da Associação dos Criadores de Lobisomens.

Mostrar outros artigos desse autor: