Monte das Oliveiras
anuncieaqui

ENTENDA DO 17 DE AGOSTO EM JOANÓPOLIS | Estância Turística de Joanópolis - SP

Joanópolis

Serviços

Notícias

ENTENDA DO 17 DE AGOSTO EM JOANÓPOLIS
História
Enviado por Valter Cassalho   
Ter, 16 de Agosto de 2011 21:28

O novo distrito de São João do Curralinho criado em 1891, possuía algumas rivalidades políticas na sede do município Santo Antonio da Cachoeira (Piracaia), sendo que, com a queda do Governo do Estado, sobe ao poder do município a oposição curralinhense. Em março de 1892 realiza-se a primeira eleição do Governo de Cerqueira Cezar para eleger o novo Congresso.

Além de não comparecerem à votação, os Curralinhenses apresentaram um protesto contra a dissolução do Congresso Nacional. Como punição do Governo do Estado, foi abolido o Distrito voltando a simples condição de bairro. Mesmo assim, com a chegada da noticia, o brio dos curralinhenses fez conter as lágrimas e realizaram para esquecer as mágoas uma festa na vila.

Organiza-se um novo Diretório político chefiado por João Ernesto Figueiredo, Antonio Ferreira de Almeida, José Cândido de Campos, Joaquim Luiz da Silveira Bueno e Frederico Wohlers, com o apoio do dr. Júlio Mesquita e o Capitão João Tiburcio Leite Penteado, ambos da Capital. Marcaram em Santo Antonio a primeira eleição municipal do novo governo; o eleitorado do Curralinho e a oposição da sede do município compareceram em peso tendo como pleiteadores da eleição o sr. Mota, Figueiredo, Norberto Barbosa, Capitão José Joaquim da Silveira Campos, Capitão Thomaz Cunha Filho, Capitão José Leite de Cerqueira Campos, os dois primeiros do Curralinho e os últimos de Santo Antonio. Chegado o dia, cem cavaleiros do Curralinho entraram triunfalmente em Santo Antonio, fazendo com que a eleição fosse suspensa pelo 1º Juiz, com medo da derrota. No dia 13 de Outubro veio de São Paulo reforço policial para as eleições. A vitória ficou para os curralinhenses.

No ano de 1893, o Curralinho volta à condição de Distrito, e o progresso da florescente cidade continua, a ponto de no final do ano assentarem-se oito lampiões para iluminação pública e no dia 15 de dezembro instala-se a agência do Correio, com viagens de dois em dois dias até Santo Antonio

No memorável ano de 1895, em 12 de maio a Câmara Municipal de Santo Antonio aprovava por unanimidade a elevação do distrito a município, submetendo o parecer favorável ao Governo do Estado, este por sua vez o promulga sob Lei nº 348 de 17 de Agosto. A aspiração deste povo fora conseguida, São João do Curralinho, completava sua emancipação política/administrativa. Estava definitivamente pronto para a sua jornada o novo município. Os ideais dos grandes homens desta localidade se concluíram. Havia ainda muito por fazer, mas este povo de bravura, convicto do progresso sabia que conseguiria levantar novas bandeiras; faziam política por amor ao município e não para apenas ostentarem cargos e condições. Logo nomearam uma comissão para a construção do prédio municipal, contratando mais uma vez o artista Joaquim Garcia de Mesquita pela importância de R$-11:000$000 (onze contos de réis); sendo que o mesmo apenas seria concluído e inaugurado em 21 de agosto de 1896, com grandes festejos e personalidades de outras cidades. Neste mesmo ano se daria posse a primeira câmara municipal, sendo os eleitos cobertos por chuva de flores, atiradas por meigas senhorinhas do local. Em seguida foi entregue por Antonio Ferreira de Almeida um quadro de Floriano Peixoto, oferecido pelo Capitão João Tiburcio. Os festejos saíram as ruas que neste dia estavam enfeitadas com bandeiras e à noite iluminadas, realizando-se um baile no paço municipal. Na noite seguinte o sr. Emydio Bueno de Paiva oferece outro baile em sua casa para continuar os festejos. A primeira câmara ficou assim composta: Presidente: João Ernesto Figueiredo, Vice: João Baptista da Silveira Bueno, Intendente: Antonio Ferreira de Almeida, Vereadores: Domingos José Nogueira, Pedro de Oliveira Cezar e José Lopes de Moraes, Secretário: Luziano Ribas, Procurador: Francisco Wohlers, Fiscal: Domingos Fernandes de Almeida, Porteiro: Cândido de Oliveira Cezar, Arruador: Joaquim Garcia de Mesquita, Administrador do Cemitério: João Wohlers. Esse prédio era o orgulho do povo Curralinhense, obra do Mesquita, símbolo da nossa autonomia, obra essa que todos tinham direito, pois seu valor histórico era primordial para a memória desta gente. (trechos de Memórias de um Gigante Adormecido-Valter Cassalho).

O antigo paço municipal e cadei pública foi demolido na década de 70 e se tudo der certo logo teremos uma re-leitura deste prédio que funcionará como museu. Uma bela lembrança e homenagem a estes acontecidos de 1895 e 1896 que comemoramos amanhã.

 
Valter Cassalho
Professor e historiador da cidade de Joanópolis, jornalista, folclorista e membro da Comissão Paulista de Folclore (Ibecc/Unesco) e Associação Brasileira de Folclore. Atual presidente da Associação dos Criadores de Lobisomens.

Mostrar outros artigos desse autor: